Telangiectasias e Escleroterapias

Mario Cesar Garcia      quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Compartilhe esta página com seus amigos

O que é telangiectasia?

Chama-se telangiectasias à presença de pequenos vasos sanguíneos, azulados ou avermelhados,3 dilatados na pele comumente chamados de vasinhos ou veinhas. Elas podem se desenvolver em qualquer parte do corpo, mais frequentemente são vistas nas pernas, na face5 ao redor do nariz, nas bochechas, queixo e até no abdome.

Não conhecemos, infelizmente, a etiologia das telangiectasias, mas de certo são devidas a uma má drenagem capilar da pele para o tecido celular subcutâneo. Sabemos que são agravadas pela medicação anticoncepcional, reposição hormonal, por posturas em pé durante muito tempo, gravidez, obesidade, traumas, esforços físicos em academias, calor e a pré-disposição individual ou seja a hereditariedade.

Se em alguns pacientes são assintomáticas, em outras pessoas esta situação acompanha-se de dores tipo "sensação de peso" e queimação nos membros inferiores, sobretudo ao fim de um dia de trabalho e nos dias mais quentes.

Geralmente, a razão principal que leva ao tratamento das telangiectasias é de natureza estética.

Mas felizmente isso tem jeito, o tratamento chama-se escleroterapia

O que é Escleroterapia?

A escleroterapia, conhecida por muitos como "aplicação", é um tratamento destinado à eliminação das telangiectasias (vasinhos). Um líquido muito concentrado, chamado esclerosante, é injetado através de micro agulhas, que são extremamente finas, dentro do vasinho.

Este tratamento é indicado apenas para as telangiectasias. Para evitar complicações, não é conveniente aplicar grandes volumes de esclerosante de uma só vez, por isso o tratamento deve ser feito por sessões, onde em cada uma é aplicado um volume de esclerosante que seja bem aceito pelos pacientes.

Os tratamentos que prometem corrigir tudo em um só dia, não são indicados, porque aumentam o risco de complicações. A Escleroterapia não deve ser realizada em vasos de maior calibre. Quando utilizada corretamente e só nos vasinhos é muito eficiente e não apresenta problemas. Não provoca dores fortes. Deve ser feito sempre por médicos especialistas (angiologista e cirurgião vascular) o que evita complicações do tratamento, que ocorrem quando realizado por pessoas inabilitadas além de ser ilegal.

 

É um tratamento realizado no próprio consultório médico, muito pouco doloroso e logo a seguir a pessoa é liberada para suas atividades normais, podendo fazer atividades físicas, trabalhar, tomar sol sempre com filtro solar, etc.

 

Existem muitos tipos de esclerosantes utilizados atualmente, todos eles com seus benefícios e suas complicações.

 O laser trouxe grandes esperanças no início, mas rapidamente verificou-se que ele não é tão eficaz para esse tipo de tratamento.

Em nossa Clinica, utilizamos a técnica da Crioescleroterapia

A Crioescleroterapia, um método muito engenhoso, que utiliza os mesmos produtos (esclerosantes) da escleroterapia normal, mas um equipamento diminui a temperatura do produto injetado para 40 graus abaixo de zero. O esclerosante a essa temperatura, além de seu efeito normal, passa a ter um efeito físico adicional e destrói, pelo frio, a parede interna do vasinho, eliminando-o. Observa-se uma grande redução do número de sessões necessárias para o tratamento e manutenção (aumento da potência do tratamento), diminuição ainda maior da sensação dolorosa, que já é pequena (efeito analgésico do frio) e diminuição das pequenas equimoses que aparecem durante o tratamento (por constrição dos vasos, provocada pelo frio).

Na prática, as pesquisas provaram que o tratamento diminui para a metade o número de sessões necessárias para a correção, e apresenta menos complicações. Por apresentar menos equimoses (pequenas manchas roxas), não há sempre restrição ao sol e aos exercícios, que podem ser realizados algumas horas após o tratamento (com liberação do médico). O custo por sessão é o mesmo que o tratamento convencional, mas por causa da redução do número de sessões, o custo final do tratamento acaba sendo inferior ao do tratamento convencional.

A Crioescleroterapia demonstrou em pesquisas que:

  • Tem resultados mais rápidos.
  • Tem menor dor durante o tratamento.
  • Apresenta menos complicações.
  • Tem custo de tratamento semelhante as técnicas convencionais
  • É mais eficiente

Complicações da escleroterapia :

Podem acontecer uma série de complicações após as escleroterapias, que a maior parte delas independe da técnica ou do medicamento. Entre as principais complicações podemos citar as:

Hiperpigmentação – manchas escuras no local das veias – Pouco frequente

Micro trombos - pontos escuros nos trajetos do vaso. Pouco frequente

Queimadura na pele – principalmente pelo Laser – muito frequente

Nódulos dérmicos – Caroços no local das aplicações. Pouco frequente

Nevoa telangiectasica – Surgimento de uma nuvem de novas veias onde fez a aplicação. Raro

Alergias. Raro

Necrose da pele - Raro

Tromboflebite de veias – Muito raro

Trombose Venosa Profunda – Extremamente raro

Embolia Pulmonar – Extremamente raro

 

Orientamos para que sempre procure um especialista no assunto, ou seja , um angiologista ou um cirurgião vascular para a realização desse tipo de tratamento, assim você evita problemas e desconforto futuro.

Mario Cesar Garcia

CRM 4545

Angiologista e Cirurgião Vascular.

R. Serra de Botucatu, 878, cj 804 Tatuapé

 

Comentários


POSTS

Nova York

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Designer de Interiores

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Telangiectasias e Escleroterapias

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Nutrição Funcional

sábado, 24 de setembro de 2016

Como fazer maquiagem para noite

segunda-feira, 26 de setembro de 2016